Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/811023
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Pantanal - Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Data do documento: 12-Abr-2004
Tipo do Material: Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Autoria: ROTTA, M. A.
AFONSO, L. O. B.
PENZ JÚNIOR, A. M.
WASSERMANN, G. J.
Informaçães Adicionais: Embrapa Pantanal (Corumbá, MS); Institute for Marine Biosciences (Halifax, NS, Canadá); UFRGS. Faculdade de Agronomia (Porto Alegre, RS); Nutron Alimentos Ltda (Campinas, SP)
Título: Uso da farinha de minhoca como alimento para pós-larvas de tilápia.
Edição: 2003
Fonte/Imprenta: Corumbá: Embrapa Pantanal, 2003.
Páginas: 35 p.
Série: (Embrapa Pantanal. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 45).
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Peixe
Tilápia
Nutrição
Farinha de minhoca
Alimentação
Análise de custo
Fonte protéica
Desempenho animal
Farinha de peixe
Fish
Tilapia
Nutrition
Earthworm meal
Feeding
Costs analysis
Protein source
Animal performance
Fish meal
Conteúdo: Foi avaliada a influência da substituição da farinha de peixe pela farinha de minhoca (Eisenia foetida) no crescimento de pós-larvas de tilápia nilótica (Oreochromis niloticus). A farinha de peixe, que correspondeu a 50% da proteína da dieta, foi substituída pela farinha de minhoca nos seguintes níveis: 0%, 20%, 40%, 60%, 80% e 100%. Os peixes foram alimentados à vontade, quatro vezes ao dia, sendo pesados e medidos aos 21 e 41 dias de experimentação. O delineamento experimental foi o completamente casualizado, com quatro repetições por tratamento e 20 peixes por unidade experimental. Os dados coletados foram analisados pela ANOVA, sendo as médias posteriormente classificadas pelo teste de Tukey (5%). Após 21 dias, não houve diferença significativa entre os tratamentos. Entretanto, aos 41 dias houve diferença significativa entre os tratamentos e os animais com o nível de substituição de 20% apresentaram os maiores pesos e taxas de crescimento específico, e os animais com o nível de substituição de 100% os menores. Durante o período experimental não houve diferença significativa entre os tratamentos em relação à sobrevivência dos animais. Os resultados mostram que baixos níveis de substituição da farinha de peixe (20%) melhoram o crescimento dos animais e que a substituição total da farinha de peixe pela farinha de minhoca é prejudicial ao desenvolvimento dos peixes, mas não afeta a sua sobrevivência.
Ano de Publicação: 2003
Aparece nas coleções:Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (CPAP)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
BP45.pdf321,29 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace