Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/745907
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Clima Temperado - Comunicado Técnico (INFOTECA-E)
Data do documento: 17-Fev-2008
Tipo do Material: Comunicado Técnico (INFOTECA-E)
Autoria: SILVA, C. A. S. da
PARFITT, J. M. B.
THEISEN, G.
SILVA, J. J. C. da
POHLMANN, N. F.
CARVALHO, E. N. de
SEGABINAZI, D. R.
Título: Sistema sulco/camalhão para irrigação e drenagem em áreas de várzea.
Edição: 2007
Fonte/Imprenta: Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2007.
Páginas: 1 p.
Série: (Embrapa Clima Temperado. Comunicado técnico, 165).
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Solo: Várzea
Dreanagem
Conteúdo: SISTEMA SULCO/CAMALHÃO PARA IRRIGAÇÃO E DRENAGEM EM ÁREAS DE VÁRZEA - A soja e o milho são as principais culturas produtoras de grãos utilizadas na diversificação do sistema de produção nas várzeas do Rio Grande do Sul, em rotação com o arroz irrigado. Os principais fatores limitantes, para que estas culturas sejam produtivas e rentáveis neste sistema, são a deficiente drenagem natural do solo e a ocorrência de freqüentes períodos de estiagem, acarretando alternância entre o excesso e o déficit de umidade no solo. A Embrapa Clima Temperado testou e validou a técnica sulco/camalhão em áreas sistematizadas com e sem declive, para estes cultivos, com resultados bastante promissores. O sistema consiste na estruturação da lavoura para a irrigação por sulcos, obtendo-se, ao mesmo tempo, grande benefício em drenagem, com o cultivo sobre os camalhões formados entre os sulcos. Esta técnica, como sistema complementar de drenagem superficial do solo, mostrou-se muito eficiente mesmo nos cultivos em áreas sistematizadas sem declive, onde não existe um gradiente para escoamento superficial da água. O principal requisito para a irrigação por sulcos é que o terreno tenha uma declividade constante e uniforme, requerendo geralmente a sistematização do terreno. Para irrigações mais uniformes e eficientes, a declividade deve variar de 0,10% a 0,50%, sendo que valores intermediários entre 0,15% e 0,30% são os mais indicados
Ano de Publicação: 2007
Aparece nas coleções:Comunicado Técnico (CPACT)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
comunicado165.pdf89,58 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace