Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/984179
Research center of Embrapa/Collection: Embrapa Rondônia - Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Date Issued: 2002
Type of Material: Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Authors: MARTINS, E. P.
OLIVEIRA, A. D. de
MELLO, J. M. de
VIEIRA, A. H.
LOCATELLI, M.
PEQUENO, P. L. de L.
Additional Information: Eugênio Pacelli Martins, Bolsista CNPq/Embrapa/Rondônia; Antônio Donizette de Oliveira, UFLA; José Márcio de Mello, UFLA; ABADIO HERMES VIEIRA, CPAF-RO; MARILIA LOCATELLI, CPAF-RO; Petrus Luiz de Luna Pequeno, Bolsista CNPq/Embrapa Rondônia.
Title: Rendimento de Desdobro de Toras nas Serrarias e Laminadoras do Município de Jaru, Estado de Rondônia.
Publisher: Porto Velho: Embrapa Rondônia, 2002.
Pages: 14 p.
Series/Report no.: (Embrapa Rondônia. Boletim de pesquisa e desenvolvimento, 13).
Language: pt_BR
Keywords: Indústria Madeireira
Espécies Florestais
Índice de conversão
Description: Este trabalho teve por objetivo avaliar o rendimento de desdobro de toras das serrarias e laminadoras do Município de Jaru, RO. Os dados do rendimento foram obtidos em três serrarias e em duas laminadoras do Município de Jaru. Nas serrarias, estimou-se o rendimento do desdobro de toras de 15 espécies florestais mais comercializadas em Jaru e nas laminadoras o rendimento foi estimado para as quatro espécies mais utilizadas nesse Município. O critério adotado para seleção das empresas foi dirigido àquelas empresas que se mostraram mais receptivas ao trabalho de pesquisa que estava sendo desenvolvido no Município. O rendimento do desdobro da tora é dado pela relação entre o volume em tora e o volume de madeira serrada, considerando só as peças de qualidade. O volume da tora foi calculado pelo produto do comprimento e do diâmetro sem casca, da ponta mais fina, subtraindo-se 10 cm de cada lado desse diâmetro. Esse método é chamado de ?Paulista?, que representa 79,8% do volume real da tora. Nas serrarias as espécies que obtiveram os maiores rendimento de desdobro foram Brosimum sp (Garrote) (72,20%), Cordia sp (Freijó) (69,09%) e o Cedrela sp (Cedro) com (66,09%). As espécies com menores rendimento foram Trichilia sp (Jitó) (28,04%), Peltogyne confertiflora (Roxinho) (34,85%) e a Myroxylon balsamum (Cabriúva) com (34,86%). O rendimento médio encontrado para todas as serrarias e espécies foi de 49,28%, abaixo do estabelecido em lei. Isso significa que os donos de serrarias estão deixando de recolher 5% de reposição florestal, ou explorando 55 hectares a mais de floresta por ano. Nas laminadoras as espécies Parkia sp (Pinho cuiabano) e Ceiba pentandra (sumaúma) obtiveram os melhores rendimentos médios com 74,97% e 73,27% respectivamente. O rendimento médio encontrado foi de 69,79%, isso significa que os donos de laminadoras estão pagando a mais na reposição florestal 15,51% do que o estabelecido em lei, ou deixando de explorar 289 hectares por ano.
Data Documento: 2014-04-08
Appears in Collections:Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (CPAF-RO)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
BPD13serrariaselaminadoras.pdf387,31 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace