Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/1092205
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorLUZ, N. B. da
dc.contributor.authorMARAN, J. C.
dc.contributor.authorGARRASTAZU, M. C.
dc.contributor.authorROSOT, M. A. D.
dc.contributor.authorFRANCISCON, L.
dc.contributor.authorHOLLER, W. A.
dc.contributor.authorGAIAD, N. P.
dc.contributor.authorOLIVEIRA, Y. M. M. de
dc.contributor.authorFREITAS, J. V. de
dc.date.accessioned2018-06-05T00:15:56Z-
dc.date.available2018-06-05T00:15:56Z-
dc.date.created2018-06-04
dc.date.issued2018
dc.identifier.citationColombo: Embrapa Florestas, 2018.
dc.identifier.urihttp://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/1092205-
dc.descriptionO Inventário Florestal Nacional (IFN-BR) visa fundamentar a formulação e implementação de políticas públicas de desenvolvimento, uso e conservação dos recursos florestais, bem como a gestão desses recursos, por meio de informações suficientes, confiáveis e periodicamente atualizadas, coletadas no campo. Estudos em escala de paisagem, por sua vez, também têm adquirido importância fundamental dentro desse contexto, por permitirem a avaliação da dinâmica de uso e cobertura da terra e das interações entre padrões espaciais e processos ecológicos, envolvendo florestas e outros usos da terra, como a agricultura. Por sua vez, a Política Nacional de Meio Ambiente no Brasil tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar condições ao desenvolvimento socioeconômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana. Dessa maneira, o objetivo geral da Política Nacional do Meio Ambiente está dividido em preservação, melhoramento e recuperação do meio ambiente. Para poder implementar ações relativas a tais objetivos, requer-se instrumentos de diagnóstico e análise que permitam mapear e avaliar ecossistemas e os respectivos serviços que proveem em seus territórios, ambos espacialmente explícitos. Daí advém a necessidade de incluir dados e indicadores espaciais na análise. Nessa avaliação, torna-se também necessário traduzir o resultado de abordagens técnico-científicas em informação compreensível para a implementação de políticas públicas e tomada de decisão, o que pode ser feito por meio de mapas, indicadores, relatórios e gráficos. Assim, a Embrapa Florestas desenvolveu, em conjunto com o Serviço Florestal Brasileiro (SFB) e com o suporte da Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO), uma metodologia para a análise espacial da estrutura da paisagem no contexto do IFN-BR. O objetivo do denominado Componente de Paisagem dentro do projeto do IFN-BR, ao longo das diferentes edições, é observar a dinâmica de uso das florestas por meio de imagens orbitais, em escalas compatíveis com os interesses nacionais e estaduais e utilizando, para tanto, indicadores como mudanças no uso da terra e fragmentação florestal. De tal maneira, pretende-se produzir informações sobre a importância e qualidade dos recursos florestais em relação a outros usos da terra, em escala de paisagem, ressaltando suas funções, qualidade e pressões incidentes, de modo a subsidiar a formulação de políticas públicas que sejam apropriadas à região e à sua escala de abordagem. A análise da paisagem complementa outros dois componentes do IFN-BR, a coleta de dados em campo e o levantamento socioeconômico, além de ser destinada ao monitoramento do componente florestal em escala de paisagem, ao longo do tempo. Nesse contexto estão inseridas as chamadas Unidades Amostrais de Paisagem (UAPs), por meio das quais é implementado o Componente de Paisagem do IFN-BR, concebidas para oferecer um ferramental que permita ao usuário a visualização de aspectos da paisagem conjugados sob a forma de indicadores e seus respectivos índices. As UAPs são áreas amostrais permanentes de 100 km², distribuídas sistematicamente em um grid de 40 km x 40 km sobre todo o território nacional, perfazendo um total de aproximadamente 5.500 unidades. Todas as UAPs contêm uma Unidade Amostral de Campo do IFN-BR, na forma de um conglomerado, localizada em seu centro geométrico. Dessa maneira, a estratégia adotada foi desenvolver a metodologia de todos os componentes do IFN-BR com vistas à sua integração e posterior análise conjunta. Uma vez que proporcionam a possibilidade de análises estáticas, ou seja, em apenas uma ocasião, ou dinâmicas - quando os índices são calculados em sucessivas ocasiões - as UAPs constituem unidades de diagnóstico e de monitoramento. A base para o cálculo dos índices de paisagem e posteriores análises é o mapa de uso e cobertura da terra, obtido por meio de processos de classificação pixel a pixel e análise de imagens orientada a objetos. Assim, os indicadores e índices de paisagem permitem estabelecer um diagnóstico integrado de cada UAP, que, por sua vez, reflete uma determinada combinação de características biogeoclimáticas (classe territorial ou ecorregião), associadas a fatores de influência antrópicos ou naturais que ocorrem naquela localidade. O presente manual se atém à descrição detalhada dos procedimentos relativos ao mapeamento do uso e cobertura da terra, adotando-se uma metodologia que envolve o uso de regras genéricas para a classificação de objetos de imagem.
dc.languagept_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.relation.ispartofseries(Embrapa Florestas. Documentos, 316).
dc.rightsopenAccesspt_BR
dc.subjectMonitoramento ambiental
dc.subjectAnálise de imagens
dc.subjectSilvicultura de precisão
dc.subjectSistemas de informação geográfica
dc.subjectAnálise de paisagem
dc.subjectInventário Florestal Nacional
dc.titleManual de análise de paisagem: volume 1: procedimentos para a execução do mapeamento de uso e cobertura da terra.
dc.typeLivros
dc.date.updated2018-10-15T11:11:11Zpt_BR
dc.subject.thesagroUso da Terra
dc.format.extent292 p.pt_BR
riaa.ainfo.id1092205
riaa.ainfo.lastupdate2018-10-15 -03:00:00
dc.contributor.institutionNaissa Batista da Luz, Consultora FAO; Jéssica Caroline Maran, Consultora FAO; MARILICE CORDEIRO GARRASTAZU, CNPF; MARIA AUGUSTA DOETZER ROSOT, CNPF; LUZIANE FRANCISCON, CNPF; WILSON ANDERSON HOLLER, CNPF; Natália Peixoto Gaiad, Mestranda da UFPR; YEDA MARIA MALHEIROS DE OLIVEIRA, CNPF; Joberto Veloso de Freitas, Serviço Florestal Brasileiro.
Appears in Collections:Série Documentos (CNPF)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LivroDoc3161527final.pdf63,34 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace