Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/710701
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Rondônia - Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Data do documento: 15-Out-2009
Tipo do Material: Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Autoria: FERNANDES, C. de F.
MORAES, V. C. P.
OLIVEIRA, J. T. A.
Informaçães Adicionais: Cléberson de Freitas Fernandes, Embrapa Rondônia; Vadjah Cristinne P. Moraes, UFC; José Tadeu A. Oliveira, UFC.
Título: Determinação da atividade peroxidásica em cultivares de feijão-caupi (Vigna unguiculata) tratados com ácido salicílico.
Edição: 2006
Fonte/Imprenta: Porto Velho: Embrapa Rondônia, 2006.
Páginas: 14 p.
Série: (Embrapa Rondônia. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 41).
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Feijão-caupi
Vigna unguiculata
Peroxidose
Defense response
Cowpea
Peroxidase
Salicylic acid
Conteúdo: Apesar de sua aparente passividade, as plantas reagem quando submetidas a situações adversas, tais como, o ataque de fungos, bactérias, vírus, nematóides, insetos e também sob estresse abiótico, como por exemplo, variações de temperatura, ausência de água ou tratamento com agentes químicos. Dentre o arsenal de defesa utilizado pelas plantas estão o reforço da parede celular (lignificação) e a indução de PR-Proteínas. A peroxidase (POX) é uma enzima associada com este processo, sendo, portanto, associada ao mecanismo de resposta de defesa. No presente trabalho avaliou-se a POX em duas cultivares de feijão-caupi (?Mulato? e ?Gurguéia?), visando a promover um maior entendimento do mecanismo de defesa desta importante cultura, procurando verificar a participação desta enzima neste processo. Folhas primárias das duas cultivares foram tratadas com ácido salicílico 10 mM no 10° dia após o plantio. As folhas foram coletadas com 1, 2, 3, 4, 6 e 9 dias após o tratamento, sendo o extrato total utilizado na determinação de proteínas e atividade POX. O teor de proteínas nas cultivares testadas não mostrou diferença significativa após o tratamento. A atividade POX foi induzida após o tratamento em ambas as cultivares, com pico de atividade 9 dias após o tratamento. A cultivar ?Gurguéia? (109,65 UA/gF) apresentou maior nível de atividade POX quando comparada com a cultivar ?Mulato? (88,00 UA/gF). Estes resultados sugerem a participação da POX no mecanismo de defesa do feijão-caupi.
Ano de Publicação: 2006
Aparece nas coleções:Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (CPAF-RO)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
bpd41feijaocaupi.pdf183,29 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace