Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/53595
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Meio-Norte - Circular Técnica (INFOTECA-E)
Data do documento: 2-Jan-1996
Tipo do Material: Circular Técnica (INFOTECA-E)
Autoria: RAMOS, G.M.
NASCIMENTO, M. do P.S.C.B. do
NASCIMENTO, H. T. S. do
PIMENTEL, J.C.M.
Informaçães Adicionais: GONÇALO MOREIRA RAMOS, CPAMN; MARIA DO PERPÉTUO SOCORRO CORTEZ BONA DO NASCIMENTO, CPAMN; HOSTON TOMAS SANTOS DO NASCIMENTO, CPAMN; JOSÉ CARLOS MACHADO PIMENTEL, CPAMN.
Título: Efeito de doses crescentes de fosforo sobre as pastagens nativas da regiao de agreste piauiense.
Edição: 1984
Fonte/Imprenta: Teresina: EMBRAPA-UEPAE de Teresina, 1984.
Páginas: 19 p.
Série: (EMBRAPA-UEPAE de Teresina. Circular Tecnica, 4).
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Pastagem nativa
Adubacao
Fosforo
Conteúdo: Foi conduzido um ensaio no municipio de Demerval Lobao em uma area tipica do "agreste" piauiense, para estudar o efeito da adubacao fosfatada sobre pastagens nativas. O solo predominante da area experimental foi classificado como areia quatzosa, cujos resultados da analise quimica de fertilidade foram: fosforo 5 ppm, potassio 28 ppm, calcio mais magnesio 0,9 mE%, aluminio 0,6 mE% e pH 4,8. A vegetacao foi raleada, queimada e marcadas as parcelas de 10m x 10m. Os tratamentos forma pastagem nativa nao adubada e adubada com 10, 20, 40 e 160 kg de P2O5/ha, sob a forma de superfosfato simples. A pastagem foi avaliada duas vezes por ano, durante 3 anos, de 1977 a 1979. Retiravam-se de cada parcela 4 subamostras de 0,5m , que eram misturadas, separando-se em seguuida em gramineas, leguminosas e outras familias. Estas eram secadas a 70 C para determinacao de materia seca e analise quimica para fosforo, potassio e calcio. A producao de materia seca aumentou quando foram aumentadas as doses de fosforo aplicadas no solo, sendo que maior rendimento foi obtido como a dose de 80 kg de P2O5/ha. As menores percentagens de gramineas foram observadas nas doses mais altas de fosforo. Os teores de fosforo na parte aerea das gramineas e das leguminosas foram crescendo com as doses de fosforo, com o maximo de 0,17% nas gramineas na dose de 160kg de P2O5/ha e de 28% nas leguminosas na dose de 80kg de p2O5/ha. As leguminosas tiveram maiores teores de fosforo, calcio e potassio que as gramineas.
Ano de Publicação: 1984
Aparece nas coleções:Circular Técnica (CPAMN)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CIR040001.pdf452,23 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace