Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/47959
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Pecuária Sudeste - Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Data do documento: 24-Abr-2007
Tipo do Material: Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Autoria: REGITANO, L. C. de A.
OLIVEIRA, M. C. de S.
ALENCAR, M. M. de
CARVALHO, M. E.
ANDRÉO, R.
MOREIRA, I. C.
NÉO, T. A.
BARIONI JUNIOR, W.
Informaçães Adicionais: LUCIANA CORREIA DE ALMEIDA REGITANO, CPPSE; MARCIA CRISTINA DE SENA OLIVEIRA, CPPSE; MAURICIO MELLO DE ALENCAR, CPPSE; ROGÉRIO ANDREO, UFSCAR/SÃO CARLOS, SP.; WALDOMIRO BARIONI JUNIOR, CPPSE.
Título: Avaliação da resistência de bovinos de diferentes grupos genéticos ao carrapato e à babesiose.
Edição: 2006
Fonte/Imprenta: São Carlos, SP: Embrapa Pecuária Sudeste, 2006.
Série: (Embrapa Pecuária Sudeste; Boletim de pesquisa 9).
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Grupos genéticos
Carrapatos.
Conteúdo: Um subconjunto de animais foi também avaliado em quatro infestações artificiais. Os efeitos de grupo genético nas taxas de infecção por Babesia bigemina foram investigados no animal e no carrapato. Quando se consideraram as quatro infestações artificiais em conjunto, verificou-se que os animais dos grupos genéticos TA e TS apresentaram maior percentagem de recuperação, em comparação aos animais NI, enquanto os animais RC apresentaram taxa de recuperação intermediária, o que sugere maior resistência ao carrapato dos animais NI, resistência intermediária dos animais RC, e menor resistência dos bovinos dos grupos TA e TS. A estimativa de herdabilidade do número de carrapatos (0,15), apesar de baixa, indica que essa característica apresenta alguma variação genética, o que sugere a possibilidade de progresso genético pela seleção. A amplificação do DNA do parasita pela seqüência de reação em cadeia da polimerase (PCR) e PCR nested (N-PCR) detectou que 100% dos animais (bezerras e vacas) foram positivos para B. bigemina em todos os grupos genéticos estudados, o que mostra que a maior resistência dos zebuínos às babesioses não deve ser interpretada como capacidade de se manterem livres ou com baixo nível de infecção. O fator que mais influenciou a presença de babésias no sangue foi a idade dos bovinos. Os marcadores próximos aos genes das interleucinas 2 e 4 exibiram associação com medidas de resistência aos carrapatos em animais submetidos à infestação natural. Nenhuma análise de associação entre genótipo marcador e taxa de infecção por B. bigemina pôde ser conduzida, uma vez que não houve variação na taxa de infecção.
Thesagro: Babesiose
Gado de Corte
Resistência.
Ano de Publicação: 2006
Aparece nas coleções:Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (CPPSE)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Boletim09.pdf338,97 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace