Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/151645
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Semiárido - Circular Técnica (INFOTECA-E)
Data do documento: 15-Jul-2004
Tipo do Material: Circular Técnica (INFOTECA-E)
Autoria: HAJI, F. N. P.
LIMA, M. P. L.
ALENCAR, J. A. de
BARBOSA, F. R.
FERREIRA, R. C. F.
MATTOS, M. A de A.
Informaçães Adicionais: FRANCISCA NEMAURA PEDROSA HAJI, CPATSA; Marcileyne Pessôa L. Lima, Bolsista CNPq; JOSE ADALBERTO DE ALENCAR, CPATSA; FLAVIA RABELO BARBOSA, CPATSA; Rodrigo Cesar Flores Ferreira, Bolsista CNPq; Marco A de Azevedo Mattos, Bolsista CNPq.
Título: Cochonilha-pérola-da-terra: praga emergente na cultura da uva, no Submédio do Vale do São Francisco.
Edição: 2004
Fonte/Imprenta: Petrolina: Embrapa Semi-Árido, 2004.
Páginas: 5 p.
Série: (Embrapa Semi-Árido. Circular técnica, 78).
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Cultura
Cochonilha-pérola-da-terra
Vale do São Francisco.
Conteúdo: A cochonilha-pérola-da-terra, Eurhizococcus brasiliensis (Hempel, 1922), foi constatada pela primeira vez em 1921, em Silveira Martins, município de Santa Maria-RS, conforme registro realizado por Lima, (1942). Esta praga possui hábito subterrâneo, ataca raízes de inúmeras plantas cultivadas, silvestres e ornamentais. Dentre as plantas cultivadas, várias frutíferas são atacadas, orém, apenas na videira, essa praga (Fig. 1) é considerada de expressão econômica e um dos fatores responsáveis pela redução da área plantada e esestímulo a novos plantios na região sul do Brasil. A suscetibilidade da videira ao ataque dessa praga pode ser devida a uma maior sensibilidade a toxinas que são injetadas nas raízes e à sucção contínua da seiva, que é altamente prejudicial, provocando um definhamento progressivo, redução da produção e mesmo morte das plantas. As toxinas, por serem injetadas no tecido vascular da planta, têm ação sistêmica, translocando-se a outros pontos, exibindo uma fitotoxemia generalizada, irreversível, exceto se a planta dispuser ainda de reservas suficientes que lhe permitam emitir nova brotação. A formação de lesões radiculares também facilita a entrada de fungos como Fusarium e Verticillium.
Thesagro: Uva
Doença
Eurhizococcus Brasiliensis
Praga.
NAL Thesaurus: Grapes
Ano de Publicação: 2004
Aparece nas coleções:Circular Técnica (CPATSA)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CTE78.pdf731,34 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace