Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/885297
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Uva e Vinho - Prosa Rural (INFOTECA-E)
Data do documento: 7-Abr-2011
Tipo do Material: Prosa Rural (INFOTECA-E)
Título: NOVAS estratégias para o manejo do ácaro-rajado na cultura do morangueiro: programa 9.
Edição: 2011
Fonte/Imprenta: In: PROGRAMA Prosa Rural: Sul: abril. [Brasília, DF]: Embrapa, 2011.
Idioma: pt_BR
Notas: Programa de rádio. Entrevista com o pesquisador Marcos Botton, CNPUV.
Palavras-chave: Ácaro rajado
Conteúdo: O cultivo do morango se concentra nas regiões Sul e Sudeste, com destaque para os estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul. Para a produção de morangos com qualidade, o manejo de insetos e ácaros pragas é fundamental devido aos grandes prejuízos causados por estas espécies no cultivo. Dentre as principais pragas da cultura destaca-se o ácaro-rajado que reduz a produção de frutos podendo causar a morte das plantas. O controle do ácaro-rajado normalmente é feito com o emprego de acaricidas sintéticos que tem selecionado populações resistentes ampliando a necessidade de pulverizações adicionais e ou aumento na dose aplicada. Como a colheita do morango é realizada praticamente todos os dias, uma das principais restrições ao uso dos acaricidas sintéticos é o período de carência que pode chegar a 14 dias. Esta situação tem sido uma das causas das inconformidades em relação à presença de resíduos de agrotóxicos na cultura (ANVISA, 2010). No Prosa Rural desta semana, o pesquisador da Embrapa Uva e Vinho (Bento Gonçalves/RS), Marcos Botton, vai falar sobre a disponibilidade de métodos alternativos para o manejo do ácaro-rajado na cultura do morangueiro, com destaque para o emprego de agentes de controle biológico, no caso dos ácaros predadores, e produtos naturais, à base de azadiractina. A Embrapa Uva e Vinho em parceria com a Embrapa Clima Temperado, Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), iniciativa privada e produtores validaram o emprego destas tecnologias que permitem manejar as pragas do morangueiro minimizando os impactos negativos ao ambiente e evitando a presença de resíduos tóxicos nos frutos. O uso isolado da azadiractina (substância retirada principalmente da semente da árvore de nim) ou a associação do produto com ácaros predadores tem reduzido significativamente os prejuízos causados pelo ácaro-rajado na cultura. A azadiractina também tem sido eficaz no controle de outras pragas da cultura como os pulgões. Segundo o pesquisador, a disponibilidade destas duas tecnologias, que podem ser utilizadas de forma isolada ou conjunta, são ferramentas fundamentais para o manejo de pragas na cultura permitindo a produção de frutas de qualidade e sem resíduos tóxicos. A expectativa da equipe envolvida no projeto é retirar o ?rótulo? de o morango ser um produto envenenado devido aos resultados das inconformidades quanto à presença de resíduos tóxicos, tornando a fruta um dos alimentos preferidos pelos consumidores. Para assim, valorizar ainda mais o trabalho dos produtores envolvidos com o cultivo que tem como base a mão de obra familiar. O Prosa Rural é o programa de rádio da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O programa conta com o apoio do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
Thesagro: Fruticultura
Morango
Praga de planta
Ácaro
Controle
Ano de Publicação: 2011
Aparece nas coleções:Prosa Rural (CNPUV)

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Novasestrategiasacarorajadomorango.mp3804 kBUnknownVisualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace