Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/873057
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Mandioca e Fruticultura - Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Data do documento: 14-Jan-2011
Tipo do Material: Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Autoria: JUNGHANS, T. G.
VIANA, A. J. C.
JUNGHANS, D. T.
Informaçães Adicionais: TATIANA GOES JUNGHANS, CNPMF; Américo José Carvalho Viana, UESC; DAVI THEODORO JUNGHANS, CNPMF.
Título: Armazenamento e tratamento mecânico na emergência de plântulas de Passiflora gibertii.
Fonte/Imprenta: Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2010.
Páginas: 16 p.
Série: (Embrapa Mandioca e Fruticultura . Boletim de pesquisa e desenvolvimento, 45).
Idioma: pt_BR
Notas: Também disponível em:<http://www.cnpmf.embrapa.br/publicacoes/boletins/boletim_45.pdf>
Palavras-chave: Maracujá
Poder germinativo
Dormência da semente
Passiflora gibertii
Conteúdo: Objetivou-se verificar o efeito do período de armazenamento e da retirada parcial do tegumento na porcentagem de germinação de sementes de Passiflora gibertii. Os tratamentos consistiram de sementes armazenadas por uma semana ou por 2 anos e 7 meses, com tegumento intacto e com tegumento parcialmente removido. Aos 29 dias após a semeadura, a porcentagem de germinação das sementes armazenadas por mais de dois anos foi similar às recém-colhidas, quando na ausência do tratamento mecânico, indicando que o armazenamento de sementes na geladeira é um método satisfatório na conservação de germoplasma dessa espécie a curto prazo. A retirada de parte do tegumento das sementes aumentou a velocidade e uniformidade da germinação, tanto para as sementes novas quanto para as sementes velhas. Contudo, o benefício do tratamento mecânico foi maior para as sementes novas, que apresentaram 64% de plântulas emergidas ao final do experimento, contra os 23% para as sementes intactas, diferentemente do ocorrido para as sementes velhas, que apresentaram valores similares para as que tiveram ou não o tratamento mecânico, 20 e 28%, respectivamente. Desta forma, conclui-se que a quebra de dormência pelo tratamento mecânico ocorre apenas para as sementes novas.
Ano de Publicação: 2010
ISSN: 1809-5003
Aparece nas coleções:Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (CNPMF)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
boletim45.pdf180,87 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace