Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/325279
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Gado de Corte - Comunicado Técnico (INFOTECA-E)
Data do documento: 30-Jun-2003
Tipo do Material: Comunicado Técnico (INFOTECA-E)
Autoria: SANTURIO, J. M.
CATTO, J. B.
LEAL, A. B. M.
LEAL, A. T.
Informaçães Adicionais: Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, RS).
Título: Tratamento imunoterápico da pitiose equina.
Edição: 2001
Fonte/Imprenta: Campo Grande: Embrapa Gado de Corte, 2001.
Páginas: 3 p.
Série: (Embrapa Gado de Corte. Comunicado Tecnico, 67).
Idioma: pt_BR
Notas: CNPGC.
Palavras-chave: Equino
Doença
Pythium insidiosum
Pitiose
Fungo
Tratamento
Imunoterapia
Rio Grande do Sul
Pantanal
Brasil
Equidade
Deseases
Fungi
Therapy
Immunotherapy
Brazil
Conteúdo: A pitiose e causada pelo fungo Pythium insidiosum e acomete eqüinos, felinos, caninos, bovinos e humanos. A especie equina é a mais atingida e a lesao causada pelo fungo se restringe, geralmente, a pele e tecidos subcutaneos. Casos de pitiose com envolvimento de outros tecidos, como ossos, linfonodos, olhos, arterias e orgaos dos sistemas digestivo e respiratorio, ja foram descritos nas diferentes especies susceptiveis. Para viabilizar o uso da imunoterapia no tratamento da pitiose equina, nas condicoes dessa regiao, produziu-se e testou-se a eficiencia de um imunoterapico liofilizado (Pythium-Vac®) que permitisse armazenamento por periodo longo e em temperatura ambiente. Para o preparo do imunoterapico usaram-se isolados de P. insidiosum, obtidos de lesoes de equinos com pitiose no Pantanal e no Rio Grande do Sul. Entre março e junho de 1996, 19 animais de varias fazendas da sub-regiao da Nhecolandia, Mato Grosso do Sul, com lesoes recentes e antigas de pitiose foram reunidos na fazenda Nhumirim, da Embrapa Pantanal. Os equinos foram tratados com injecoes subcutaneas na regiao do pescoco a cada 14 dias. Sessenta e tres por cento dos animais estavam recuperados apos 5,3 aplicacoes do imunoterapico. Diferentemente do esperado, 83% dos animais com lesoes antigas e 60% com lesoes recentes foram curados. Esses resultados sao opostos aos encontrados em outros estudos sobre a eficiência do tratamento imunoterapico.
Ano de Publicação: 2001
Aparece nas coleções:Comunicado Técnico (CNPGC)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
COT67.pdf2,28 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace