Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/15589
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Meio Ambiente - Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Data do documento: 18-Dez-2008
Tipo do Material: Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Autoria: PESSOA, M. C. P. Y.
SA, L. A. N. de
KODAIRA, J. Y.
WILCKEN, C. F.
ALMEIDA, G. R. de
Informaçães Adicionais: MARIA CONCEICAO PERES YOUNG PESSOA, CNPMA; LUIZ ALEXANDRE NOGUEIRA DE SA, CNPMA; Juliana Y Kodaira, Estagiária - Embrapa Meio Ambiente; Carlos F. Wilcken, FCA-UNESP Botucatu; GILBERTO RIBEIRO DE ALMEIDA, CNPMA.
Título: Simulação da dinâmica populacional do psilídeo-de-concha, Glycaspis brimblecombei (Hemiptera: Psyllidae) e identificação de estratégias para a criação laboratorial de seu parasitóide Psyllaephagus bliteus (Hymenoptera: Encertydae) .
Edição: 2008
Fonte/Imprenta: Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, 2008.
Páginas: 33 p.
Série: (Embrapa Meio Ambiente. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 49).
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Inseto
Controle biológico
Criação massal
Praga de planta
Modelo matemático
Conteúdo: O "psilídeo-de-concha", Glycaspis brimblecombei (Hemiptera: Psyllidae), tem causado preocupação ao setor florestal brasileiro, principalmente em áreas com Eucalyptus camaldulensis, mais susceptível ao ataque. Estratégias voltadas ao seu controle químico ainda apresentam custos elevados e problemas relacionados ao registro de produtos autorizados, o que faz do seu controle biológico pelo parasitóide Psyllaephagus bliteus (Hymenoptera: Encyrtidae) o único disponível no momento, demandando sua criação massal em laboratório para posteriores liberações no campo. Dados biológicos disponíveis na literatura até 2007 possibilitaram desenvolver um simulador computacional capaz de acompanhar a dinâmica populacional das diferentes fases de desenvolvimento da praga, facilitando a identificação de períodos mais favoráveis ao aumento da presença de hospedeiros-praga preferencial ao parasitismo (3º e 4º instares). Os primeiros resultados observados apontaram o período do 16º ao 21º dia após a infestação dos adultos do psilídeo nas gaiolas. A validação de todos os resultados demanda novos experimentos em gaiolas de criação.
Ano de Publicação: 2008
Aparece nas coleções:Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (CNPMA)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
boletim49.pdf1,77 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace