DSpace

Infoteca-e » Embrapa Florestas (CNPF) » Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (CNPF) »

Por favor, utilize esse identificador para citar ou referenciar esse registro:
http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/handle/doc/308900

FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut

Formato RegistroConteúdo
Unidade da Embrapa/Coleção: Embrapa Florestas - Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Identificador: 42625
Data de Envio: 19-Mar-2008
Tipo do Material: Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E)
Autoria: AUER, C. G.
GOMES, N. S. B.
Informações Adicionais: Celso Garcia Auer, Embrapa Florestas; Nei Sebastião Braga Gomes, UFAC.
Título: Armilariose em Pinus elliottii var. elliottii: etiologia, determinação de danos e medidas de controle nos Estados de Santa Catarina e Paraná.
Edição: 2007
Fonte/Imprenta: Colombo: Embrapa Florestas, 2007.
Série: (Embrapa Florestas. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 34).
Idioma: pt_BR
Notas: 1 CD-ROM.
Palavras-chaves: Pinus elliottii
Armilariose
Fitopatógeno
Espécie exótica
Thesagro: Doença de planta
Conteúdo: A armilariose ocorre em pínus, na Região Sul do Brasil, causando a morte de árvores que pode chegar a 8,5 % em plantios de pínus entre 1 e 7 anos de idade e a 20 % em plantios com 25 anos, demonstrando sua importância. Um estudo foi feito com a etiologia, a epidemiologia e o controle, para conhecer a ocorrência da armilariose causada por Armillaria sp. em pínus nos estados do Paraná e Santa Catarina, a espécie do patógeno, os danos e impactos econômicos, em focos da doença e o controle químico, cultural e biológico. Os resultados mostraram que a doença se distribuiu em focos agregados com incidência maior em P. elliottii var. elliottii. A melhor temperatura para crescimento in vitro foi 22 °C. Testes de interfertilidade entre isolados e métodos moleculares, no exterior, indicaram que existe uma espécie próxima de Armillaria luteobubalina (Kile e Watling) ou A. sparrei Speg e não seria A. mellea (Vahl: Fr.) P. Kumm. A redução na produção de madeira esteve entre 5 % e 21 %. O melhor método de controle foi a destoca em áreas infestadas e o controle biológico com Trichoderma viride foi eficiente somente nos primeiros anos dos plantios de pínus.
Ano de Publicação: 2007
Aparece nas Coleções:Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (CNPF)
Arquivo Descrição TamanhoFormatoVisualizar
BPD34CD.pdf529,61 KBAdobe PDFThumbnail
Download

Formato Dublin Core

Estatísticas